Guilherme Figueiredo, um dos sócios da CAL
Guilherme Figueiredo, um dos sócios da CAL

A CAL – Clínica do Aparelho Locomotor, sediada em Ponta Delgada, nasceu de um conceito inovador em Portugal.

Guilherme Figueiredo, um dos seus fundadores, apresenta-nos esta empresa, referência na Região nas áreas em que atua.

O começo

A CAL inicialmente começou por reunir três especialidades que não é fácil verem-se reunidas num projecto comum: a Reumatologia, a Ortopedia e a Fisiatria, e por isso é designada como a clínica do aparelho locomotor.

“O trajecto tem sido muito gratificante, na medida em que foi uma reunião feliz entre colegas de especialidades diferentes que partilham uma ideia de colaboração, de poder intervir de forma interdisciplinar, integrada, num conjunto de problemas relativamente afins”, explica Guilherme Figueiredo.

Partindo de uma estrutura modesta, foi em 1992 que esta sociedade se formou e deu início à sua actividade.

Excelência é o objetivo

Cerca de um ano depois, em 1993, instalámos, no que também fomos pioneiros na Região, a técnica, inovadora em Portugal, da Densitometria Óssea Bifotonica a Rx (DEXA), dedicada ao diagnóstico da osteoporose. O 5° aparelho de Portugal, logo depois de Lisboa, Porto e Coimbra”.

Posteriormente, no início do novo século, ampliam as instalações da clínica, implementando novos serviços e alargando o âmbito da sua intervenção.

“Ampliámos francamente o espaço da fisioterapia, criamos novas técnicas de reabilitação e tratamentos e atraímos mais um sócio – um cardiologista –, porque essa área era extremamente relevante para complementar as que já existiam em duas vertentes fundamentais: uma, preventiva, no âmbito da medicina desportiva e da avaliação do risco cardiovascular global dos indivíduos de meia idade e idoso; a outra, na intervenção clínico-terapêutica da patologia cardiovascular, tão importante e prevalente nos Acores. Desenvolvemos Técnicas de eletrofisiologia do esforço e monitorização cardíaca, e a Ecografia de alta resolução nas vertentes cardíaca e músculo-esquelética. Com equipamentos de topo”, destaca Guilherme Figueiredo.

Há três anos, a CAL criou um novo projeto apoiado pelo programa SIDER instalaram uma Ressonância Magnética dedicada ao aparelho músculo-esquelético, numa opção convicta e coerente com o conceito e objecto de intervenção da Clínica.

É o único aparelho em Portugal, até hoje, que faz ressonância magnética com o paciente em “carga”, ou seja, com as pessoas a poderem ser colocadas para exame, também, de pé. O que tem importância decisiva na avaliação de certas patologias”.

Recentemente, adquiriram um aparelho de TAC de 3ª geração, de 160 cortes, que se coloca entre os mais modernos do país e, claramente, o mais avançado da RAA.

“Processa todo o trabalho que todos os outros TACs comuns fazem e, sobretudo, faz aquilo que a maior parte dos outros não fazem. E com muito menor radiação aplicada sobre os pacientes”. Com este aparelho de TAC, também ele apoiado por fundos da CE (Competir+), queremos sobretudo diferenciar e privilegiar a doença coronária e dos vasos sanguíneos”, frisa.

A CAL disponibiliza consultas especializadas de Reumatologia, Ortopedia, Fisiatria e Reabilitação, Cardiologia, M. Interna, C. Vascular, Psicologia e Nutrição, e conta ainda com a prestação de vários médicos de Radiologia, na vertente muito afirmativa e relevante, do diagnóstico por imagem, sendo estas as áreas do seu core business.

O futuro

 “Manter os nossos mais de 30 colaboradores. Reforçar o carácter interdisciplinar das especialidades que nos compõem, com desenvolvimentos futuros nas áreas da reabilitação cardíaca e do tratamento minimamente invasivo da patologia dolorosa do raquis (coluna) e da dor neuropatica”, finaliza Guilherme Figueiredo.

Partilhe:
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on Google+Pin on PinterestEmail this to someone