A Vila de Cedovim, pertencente ao concelho de Vila Nova de Foz Côa, é considerada uma das freguesias mais bonitas do distrito da Guarda, devido à sua beleza paisagística. Juliana Melo Pinto, recentemente eleita presidente da Junta de Freguesia de Cedovim, faz-nos uma visita guiada por este território tão especial.

“Do cume da serra da Bandulheira divisa-se um panorama surpreendente: o aglomerado de Cedovim, a beleza dos inúmeros hectares de amendoeiras em flor, os extensos olivais e um sem número de vinhas verdejantes que produzem o delicioso néctar a que se chama Vinho do Porto”. É assim que Cedovim é descrita por Francisco de Jesus Fego, autor do livro “Cedovim, Memória da Terra e das Gentes. Não poderíamos estar mais de acordo. Distando 24 quilómetros da sede concelhia, Cedovim cativa pela tranquilidade e pela hospitalidade dos cedovinenses.

Juliana Melo Pinto, presidente da junta de freguesia, conta-nos o que a atraiu e o que a faz ficar nesta terra que, como grande parte do interior, sofre com o envelhecimento da população e com a desertificação: “Não sou natural de Cedovim, mas sim de Matosinhos. Os meus pais tinham uma casa de férias em Cedovim e, um dia, decidiram ficar cá a viver permanentemente. Eu, quando acabei os estudos, decidi vir também. Ao início as pessoas pensavam que, por estar habituada à cidade, não me ia adaptar. Mas foi a melhor decisão que tomei”, refere, com orgulho.

Dar o seu contributo a esta freguesia foi o que moveu Juliana Melo Pinto a candidatar-se a presidente de junta. A jovem recém-eleita já havia pertencido ao anterior executivo, o que permitiu conhecer as principais carências da vila e a traçar um projeto para dar mais visibilidade a Cedovim: “O futuro passa pelo turismo. Queremos trazer pessoas a Cedovim e queremos que os nossos jovens tenham orgulho na sua terra e decidam cá permanecer. Para tal, iremos criar um Museu Etnográfico, aproveitando um edifício pertencente à câmara municipal que está ao abandono. Propus à câmara fazer um contrato de comodato em que eles nos cedem as instalações e nós fazemos o projeto do museu. O edifício era um antigo lagar de azeite que queremos recuperar e aproveitar o espaço para realizar exposições de fotografia, de trajes antigos, alfaias agrícolas e projeção de vídeos que mostrem como era a vida em Cedovim antigamente”, refere a nossa entrevistada.

O objetivo passa por envolver a população em torno das tradições e do seu património, de forma a criar emprego e a possibilitar a fixação dos jovens. “Gostava muito de ver a freguesia com o movimento que tem no verão, com a chegada dos emigrantes. Com crianças a correr, com jovens, com outra vida. É isso que me motiva”, salienta. Atualmente, grande parte da população da Cedovim dedica-se ao setor agrícola, sendo a vila reconhecida pelos seus excelentes produtos, como o azeite, amêndoa e vinho.

Para os próximos quatro anos, Juliana Melo Pinto perspetiva muita vontade em trabalhar em prol de Cedovim, quer da sua parte, quer dos restantes membros do executivo e da assembleia. A presidente aproveita para desejar um feliz Natal a todos os cedovinenes, com votos de um excelente ano de 2018 e com a certeza que poderão contar com a sua dedicação para levar mais longe o nome de Cedovim.

Partilhe:
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on Google+Pin on PinterestEmail this to someone