O aperfeiçoamento dos produtos, a satisfação do cliente e o serviço pós-venda são algumas das prioridades desta empresa rumo ao sucesso. A Cimoporta surgiu em 1997, celebrando atualmente 20 anos de existência, mas a experiência na área das portas e portões seccionados e das estruturas metálicas tem distinguido esta PME Líder de Rio Maior. Acompanhar as evoluções do mercado e apostar na internacionalização fazem parte dos seus planos futuros.

Costuma dizer-se que há males que chegam por bem e aqui foi o caso. O término de uma empresa do mesmo setor deu origem à Cimoporta. Estávamos em 1997 quando Carlos Daniel Guerra e Fernando Lopes juntaram-se a outros colegas de trabalho e decidiram aproveitar a experiência acumulada ao longo dos anos no fabrico de portas, portões seccionados, estruturas metálicas e outros acessórios. Dada a necessidade de existência deste tipo de materiais na região e empenhados em continuar a levar os seus conhecimentos mais longe, criaram a Cimoporta, na Zona Industrial de Rio Maior.

Atualmente, a empresa dedica-se essencialmente ao fabrico e comercialização de portões seccionados e estruturas metálicas. “São as duas principais áreas, sendo que o nosso core-business têm sido as estruturas metálicas, pois têm tido maior expressão no volume de negócios”, completa Ricardo Lopes, administrativo e filho de um dos sócios fundadores. Além deste segmento, a Cimoporta tem sido solicitada para alguns serviços na área da reabilitação, um setor que está em crescendo no nosso país desde a crise que abalou a construção civil. As portas industriais também não são esquecidas, principalmente para aplicação em edifícios.

Produtos à medida

Dentro da gama de fabrico próprio existe uma variada opção de materiais, componentes e produtos, quer para zonas residenciais como industriais. Painéis, cores, visores e acessórios constituem a vasta oferta em material galvanizado, alumínio e até inox. Contudo, devido ao serviço personalizado e ao fabrico seccionado, os portões têm sido os mais procurados. “São feitos em painéis sandwich, em chapa lacada e poliuretano e depois temos os acessórios em chapa galvanizada ou inox. Trabalhamos com estes materiais e temos estas opções mediante os fins e a procura. Se a chapa galvanizada é a mais procurada para as casas, o inox é o mais solicitado para a indústria alimentar e casas localizadas perto da costa, pois têm uma maior durabilidade”, explica Ricardo Lopes.

Para efeitos de comercialização, a Cimoporta trabalha com revendedores que fazem o contacto direto com o cliente. No entanto, se o consumidor final demonstrar interesse por algum portão seccionado pode comprar diretamente à marca. Este segmento de negócio é também um complemento às estruturas metálicas, o foco da empresa durante anos e que está ao serviço do setor primário. “Trabalhamos com algumas empresas de referência a nível nacional que reconhecem a qualidade dos nossos produtos e serviços. A agricultura, a avicultura, a área das rações são quem mais solicitam e estamos presentes um pouco por todo o país, fazemos estruturas metálicas para vários pontos”, assegura. Fornecedores e parcerias de referência têm garantido a presença da empresa além-fronteiras.

Evolução sempre presente

A inovação e a tecnologia é essencial em qualquer empresa. Apesar de nestes equipamentos não se assistir a um grande desenvolvimento nem à introdução de novos produtos, a Cimoporta tem a preocupação de acompanhar todas as evoluções para dar resposta às necessidades do mercado e dos clientes. “Tentamos modernizar e para isso contamos com o apoio dos fornecedores. Compramos os materiais e fazemos a transformação aqui e os acessórios constituem a inovação para acrescentar valor ao produto final”, justifica o administrativo. E como falamos de um serviço personalizado, sempre à medida do cliente, dependente de várias condições e especificidades, requer cuidados especiais. Nesse sentido, a empresa garante todo o apoio necessário a clientes e revendedores no esclarecimento de dúvidas ou outras explicações técnicas sobre o produto.

Um serviço de continuidade

Mas afinal o que diferencia a Cimoporta? “É o contacto que mantemos com o cliente. A proximidade, a confiança e o acompanhamento pré e pós-venda são condições essenciais que contribuem para o sucesso de qualquer negócio. Respeitamos todos os pedidos dos clientes e trabalhamos para encontrar soluções à sua medida. Também a capacidade de resposta, a nível de montagem, acaba por nos diferenciar. Procuramos sempre respeitar e cumprir com as necessidades e requisitos dos clientes, pelo que o feedback dos mesmos tem sido muito positivo”, confirma Ricardo Lopes. “Procuramos sempre a satisfação dos nossos clientes, de forma a manter uma relação de proximidade e continuidade. No fundo, procuramos fidelizar os nossos clientes”, acrescenta.

O serviço pós-venda tem sido uma prioridade da empresa que prima pela assistência ao cliente nos produtos por eles instalados.

Ao todo, 32 colaboradores compõem a equipa da Cimoporta. Muitos deles acumulam já quase 30 anos de experiência no fabrico de portões, conhecendo todas as características e fases do produto. Por isso, a empresa privilegia a formação e o contacto direto de novos funcionários com os mais experientes. A aposta na qualidade não fica para trás e a Cimoporta é já uma empresa certificada que usufrui de todas as formações para promover o conhecimento, a segurança, funcionamento de máquinas e obrigações legais.

Esta referência na região foi já distinguida com o estatuto PME Líder e no futuro pretende estabelecer novos objetivos e reforçar o setor dos portões para angariar mais clientes e aumentar o volume de negócios. “Manter o produto e os modelos existentes, acompanhando a evolução e o mercado. Apostar na internacionalização faz parte dos nossos planos”, conclui.

Partilhe:
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on Google+Pin on PinterestEmail this to someone