A empresa Frutas Lurdes é uma referência na produção e comercialização da aclamada laranja do Algarve. Atualmente explora mais de 500 hectares de pomares de citrinos, e comercializa mais de 12 milhões de quilos. Telma Guerreiro, filha de Bernardino Guerreiro e Maria de Lurdes Guerreiro, atualmente diretora-geral, e Duarte Coelho, diretor financeiro, deram voz ao trajeto de três décadas da Frutas Lurdes.

Localizada em Algoz, no concelho de Silves, a Frutas Lurdes celebra este ano 30 anos de atividade. O caminho da empresa começou por ser designado pelas raízes humildes de Bernardino Guerreiro e da sua esposa Maria de Lurdes Guerreiro, que se fez valer da experiência e conhecimento familiar no ramo dos citrinos, e, de forma natural, criou o seu próprio desígnio empresarial. Em 1989 criavam a, então, Frutas Bernardino. Em 2003 a empresa mudava de nome, para Frutas Lurdes. Hoje, a filha, do casal Guerreiro segue o seu legado, criando novas dinâmicas que têm vindo a reverter a Frutas Lurdes numa referência no setor.
Um dos principais passos para o sucesso da empresa foi dado em 2009, com a aposta no mercado externo e posterior internacionalização. “Durante 22 anos só vendíamos para o mercado nacional. Decidimos. Tentamos apostar em novos mercados, e isso é fundamental, tem de ser esse o caminho. A exportação representa 60 por cento do nosso volume de negócios, dessa exportação cerca de 90 por cento é para França, e o restante para Canadá, Alemanha e Espanha. Este é um passo obrigatório porque o mercado nacional não consegue pagar o valor real dos citrinos do Algarve. Para além disso,é importante criar novas soluções fora do mercado nacional”, realçou Telma Guerreiro. No mercado, a Frutas Lurdes opera com quatro marcas distintas e com imagens diferentes, “uma estratégia que surgiu num sentido de marketing”. A empresa rege-se pelos melhores princípios de qualidade e acompanhamento, garantidos pela proximidade de relação com o cliente e pela implementação das certificações de HACCP e GLOBAL GAP e pela classificação dos seus produtos como IGP – Citrinos do Algarve.

Um produto, naturalmente, de qualidade
A laranja do Algarve é já um expoente nacional. São vários os condimentos que auferem a este produto um sabor único. Telma Guerreiro evidenciou o que torna a laranja algarvia especial: “o clima é importante, mas são os nossos terrenos a principal característica para o sabor da laranja. São terrenos bem drenados, calcários, vermelhos, que originam uma laranja de pele fina, com uma coloração bastante vermelha, muito doce e com baixa acidez. Devido a estas qualidades naturais do clima e do terreno, utilizamos menos produtos fitofármacos, que no fim fazem da laranja do algarve um produto ainda mais distinto”.
Através das três variedades exploradas pela Frutas Lurdes a colheita é feita durante todo o ano. No inverno a newhall, na primavera segue-se a lanelate e no verão, a valencia Late. “A laranja de inverno e de primavera são mais apetecíveis para comer porque têm uma textura mais agradável para o paladar. Por outro lado a variedade de verão é mais sumarenta e, por isso, melhor para sumo”, explicou Telma.

Explorar novos mercados
30 anos após a sua fundação, o objetivo é continuar a crescer e aumentar os 12 milhões de quilos anuais comercializados. “O futuro está em apostar em novos mercados”, assim traçou, Telma Guerreiro, o principal objetivo para o futuro da empresa. Com uma equipa de 45 colaboradores, a importância e responsabilidade da empresa estende-se a cerca de 40 pequenos produtores a quem compram a produção de forma integral, na árvore. “Esses produtores são importantes para nós, e nós somos importantes para que eles possam escoar o seu produto. Nós queremos valorizá-lo, criar-lhe garantias, e reconhecimento. Queremos crescer em conjunto”.

Partilhe:
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on Google+Pin on PinterestEmail this to someone