Situada na principal ilha do arquipélago da Madeira, no Oceano Atlântico e a sudoeste da costa portuguesa, a Ilha Peixe reúne todas as condições para constituir uma referência no setor e na região. Dedicada à transformação e distribuição de várias espécies de peixe e mariscos frescos e congelados, a empresa criada em 1992 apostou na aquicultura, como alternativa à importação, alcançando a total satisfação dos consumidores.

José Ornelas estava ligado à área das carnes, até que em 1992 decidiu aventurar-se noutras marés. Aproveitando uma oportunidade de mercado, escolheu adaptar-se e criar uma empresa de transformação e comercialização de peixe, na Ilha da Madeira. Dada a sua posição geográfica e o setor onde estava inserido, o nome não poderia ser mais evidente e assim nasceu a Ilha Peixe. “Há 25 anos atrás, notamos que apesar de a pesca estar bem implementada no território e haver produto no mercado regional, não existia uma empresa a fazer a transformação do pescado, ao contrário da realidade do continente. Tendo em conta as capturas da Madeira, consideramos que algo devia ser feito para contrariar a situação e dinamizar o setor”, começa por contar o gerente. Com uma missão bem clara, iniciou a atividade em 1996, focado nas tradições e hábitos de consumo do peixe-espada preto e atum.

Atualmente, estas espécies continuam a ser as grandes referências da Ilha Peixe, a par da dourada. As lapas e os maricos selvagens, frescos e congelados fazem parte dos produtos comercializados e são bastante apreciados. Para complementar a distribuição, a empresa aposta ainda na importação de algumas espécies que não existem na região.

Confiança e segurança

A paixão pelo mar e pela pesca continua bem viva, apesar de todas as dificuldades inerentes à atividade. Consciente de todos os problemas afetos, a Ilha Peixe teve sempre uma prioridade principal. “Os nossos fornecedores são os pescadores da ilha, todas as embarcações descarregam cá. Existe já uma relação de confiança num produto fresco. No passado, existia um problema grave que afetava os pescadores: o escoamento do produto. Com a existência da Ilha Peixe, em 1996, essa dificuldade desapareceu. Com este apoio, as mudanças refletiram-se no tratamento do pescado, nas condições das embarcações e nos investimentos. Houve uma evolução grande no setor”, explica José Ornelas.

Numa área como esta existem sempre flutuações e apesar de reconhecerem que muitas vezes o pescado destina-se a outros países, o principal mercado da Ilha Peixe é o nacional. Em Portugal Continental, podemos encontrar este pescado nas empresas ligadas ao sector. “O que distingue os nossos produtos é a qualidade e excelência. Os artigos da marca Ilha Peixe são cada vez mais procurados no mercado regional e nacional. Sentimos que somos já uma referência”, completa. Países como Espanha, França, Austrália e Venezuela fazem parte do leque de exportação da empresa.

Do mar ao prato

O pescado é enviado da lota para a Ilha Peixe, onde o processo, desde a receção até ao embalamento e distribuição, é realizado e controlado segundo rigorosas normas. “O controlo de qualidade é fundamental neste setor, por isso privilegiamos o rigor. Temos uma equipa técnica especializada nessas questões que analisa o estado do produto antes de ele ser transformado ou comercializado”, esclarece. A equipa assume um lugar de destaque e a maioria integra a empresa desde os primórdios, evidenciando uma larga experiência. Um ambiente familiar, uma relação próxima e de confiança, em que as responsabilidades delegadas contribuem para o sucesso. No total, a Ilha Peixe conta já com 87 colaboradores e uma frota de 13 viaturas.

Uma nova aposta

Com o objetivo de fazer mais e melhor, a ambição da empresa não fica por aqui. Em 2004, através de uma iniciativa do Governo Regional da Madeira, a Ilha Peixe aventurou-se na aquicultura. Atualmente conta já com 28 jaulas em mar aberto, o equivalente a uma produção anual de 1200 toneladas de dourada, a espécie que melhor se adaptou aos mares madeirenses. Este segmento tem vindo a crescer e os investimentos revelam-se compensatórios para esta PME Líder.

Produto Madeira, Produto Português

Frequentemente chegam até nós notícias que dão conta do reconhecimento do peixe português no exterior como um produto de qualidade ímpar. Presentes em feiras internacionais, a administração da Ilha Peixe confirma esta realidade. “O objetivo é levar o Produto Madeira mais longe. Queremos que se torne uma mais-valia para empresas desta área e pescadores. É necessário valorizar o produto nacional e essa é uma preocupação constante”. Desta forma, não nos podemos esquecer do quão este setor é inconstante, seja no território nacional ou exterior. Por vezes visto como secundário e merecedor de pouca atenção, cabe às empresas do setor valorizar a atividade e a importância e potencialidades do nosso país.

Questionado sobre o futuro, José Ornelas revela: “Devemos enfrentar um dia de cada vez e fazer o melhor diariamente. Estamos num setor em que não é possível fazer grandes previsões nem controlar o que chega do mar. Não temos o objetivo de atingir grandes volumes mas sim que haja sempre produto, independentemente das espécies e da quantidade, escoando para o mercado regional, nacional e internacional.

Partilhe:
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on Google+Pin on PinterestEmail this to someone