A Portugal em Destaque esteve à conversa com Paula Jardim, presidente do Instituto do Vinho, do Bordado e do Artesanato da Madeira, e ficou a conhecer mais sobre esse organismo que define, coordena, regula e executa políticas de valorização e preservação destes produtos, verdadeiros embaixadores da ilha além-fronteiras.

Foi em julho de 2006 que o Instituto do Vinho, do Bordado e do Artesanato da Madeira (IVBAM) nasceu, da fusão do Instituto do Vinho da Madeira com o Instituto do Bordado, Tapeçarias e Artesanato da Madeira. Paula Jardim Duarte, na presidência desta instituição há cerca de um ano e meio, revela-nos as principais funções deste organismo tão fundamental na ‘Pérola do Atlântico’: “o IVBAM destaca-se por ser a entidade emissora do certificado de qualidade para o Bordado e o Vinho Madeira. Para tal, regulamos tudo o que diz respeito ao controlo e certificação destas atividades”, explica.

Vinho Madeira – Produto DOP

Com quase seis séculos de historia, e com forte cariz de internacionalização, que passa pelas mais diversificadas rotas de exportação, o Vinho Madeira tem Denominação de Origem Protegida, o que obriga a um controlo de produção desde a plantação até ao produto final. De forma a garantir que todas as especificações sejam cumpridas, todo o vinho passa pelo crivo do IVBAM. “As nossas funções, para além de legislarmos e fazermos cumprir as normas europeias relativas a este setor como por exemplo a obrigatoriedade de comunicação ao Instituto do arranque definitivo, plantação e abandono da vinha , também presta o apoio técnico na melhoria das boas praticas da cultura assim como no apoio à decisão da data de vindima”, salienta a presidente Paula Jardim Duarte. “A comercialização do Vinho Madeira obriga à sua certificação DOP o que implica o controlo dos parâmetros físico-químicos executados no laboratório do IVBAM e prova organolética através da câmara de provadores. Tem ainda, como função a analise e aprovação da rotulagem a ser utilizada nos vinhos de acordo com as normas que lhe são aplicáveis”, refere.

Bordado Madeira – um produto de luxo

Reconhecido pela sua qualidade, ninguém fica indiferente ao Bordado Madeira. Todo ele passa também pelo IVBAM, entidade que o certifica: “verificamos a qualidade tanto do bordado como da matéria-prima. Após comprovar que há o cumprimento de todas as regras relativas ao Bordado, é-lhe aplicado um certificado de qualidade materializado num selo com holograma”, explica Paula Jardim Duarte, acrescentando que “o Bordado Madeira exige anos de experiência às bordadeiras, que executam um trabalho exímio tendo em conta as dificuldades inerentes a um ofício manual. Se não reúne as condições de qualidade são devolvidas pelo Instituto, ao Industrial do Bordado sem certificação. É uma arte que vai passando de mães para filhas, de avós para netas e assim sucessivamente. Falamos de um trabalho com muito valor, de um produto que se insere num mercado de luxo. É uma arte muito específica”.

Aposta na promoção

Outra das principais funções do IVBAM prende-se com a promoção dos vários produtos.

No que ao Vinho Madeira diz respeito, e embora este seja já conhecido além-fronteiras, são várias as ações que têm sido levadas a cabo para levar ainda mais longe este produto embaixador da ilha da Madeira. Exemplos disso são os vários eventos que têm sido desenvolvidos em cidades Europeias, como Paris e Londres, aos quais se seguirão países fora da EU como Japão e EUA: “é do nosso interesse que as empresas do setor levem os seus produtos mais além, para que sejam cada vez mais conhecidos e com presença ativa nos mercados internacionais”, reconhece a presidente Paula Jardim.

No que ao Bordado Madeira diz respeito, a próxima aposta de promoção terá lugar em Veneza, Itália, numa exposição que reunirá os exemplares dos produtos de luxo do setor. Paula Jardim Duarte aproveita ainda para lamentar que em Portugal Continental existam poucos pontos de venda de Bordado Madeira. Segundo a presidente, tal deve-se ao facto de os industriais estarem historicamente mais virados para a exportação para outros países do continente europeu e americano, com mais tradição no consumo do setor têxtil. Esta situação, no entanto, está a ser alvo da atenção por parte do Instituto que, com vista a elevar a imagem do Bordado Madeira e difundir ao máximo este produto artesanal de grande prestígio, luxo e qualidade no mercado nacional, está, entre outros, a desenvolver um projeto com o estilista Filipe Faísca, no sentido de, o Bordado da Madeira ter uma presença vincada nos eventos de moda Nacionais através de  coleções subordinada ao tema do Bordado Madeira. Tem sido uma, inclusive, já apresentada em março na Moda Lisboa, revelando-se um sucesso.

“Estamos no meio do oceano Atlântico, com um conjunto de produtos de alto valor pretendendo-se levar pelo mundo fora, dinamizando o que temos de bom”, conclui.

O Instituto do Vinho, do Bordado e do Artesanato da Madeira possui ainda um núcleo museológico com vista a dar a conhecer aos madeirenses e aos seus visitantes algumas das mais importantes obras artesanais regionais, bem como a sua evolução ao longo dos tempos. Das coleções que possui, destaque para um conjunto de peças de embutidos de madeira, produzidos em meados do século XX, as coleções de vimes e tapeçarias e coleções de Bordado Madeira que vão da segunda metade do século XIX ao bordado contemporâneo.

Partilhe:
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on Google+Pin on PinterestEmail this to someone