Da terra nascem produtos que animam a economia da região. O verde contrasta com os tons fortes de um dos citrinos produzidos naquele que é considerado o maior pomar de Portugal. O Algarve não é apenas um destino de turismo. Também a agricultura tem um lugar de destaque. A Laranja algarvia
ganhou prestigio no país e além fronteiras. Entre os seus produtores destaca-se a CACIAL, cooperativa que comercializa mais de 25 milhões de quilos por ano, e um volume de faturação de 17 milhões de euros.

A 6 de agosto de 1964, um grupo de produtores de citrinos do Algarve, constituíram a CACIAL (Cooperativa Agrícola de Citricultores do Algarve). A mesma foi reconhecida como Organização de Produtores em 15 de Fevereiro de 1995, com jurisdição para a toda a Província Algarvia. Tendo sido a primeira unidade do país a higienizar e embalar citrinos de forma industrial.

Desta cooperativa, criada há mais de 50 anos, estão a sair 120 toneladas de citrinos por dia, das quais cerca de 20 porcento se destinam à exportação para países como a Suíça, Itália, França, entre outros. Por sua vez, os restantes 80 porcento da produção destinam-se às grandes cadeias comerciais. A sede da CACIAL, à entrada de Faro, vista de fora aparenta ser apenas um conjunto de armazéns. Porém, lá dentro, tudo funciona como uma linha de montagem de uma ‘fábrica’, onde a fruta é separada, lavada, encerada e embalada. Os antigos métodos manuais de seleção e tratamento deram lugar à ‘laranja mecânica’, inserida em caixas à medida da vontade do cliente.

José Oliveira, presidente do conselho de administração e Horácio Ferreira, diretor geral, estiveram à conversa com a Revista Portugal em Destaque, de forma a dar a conhecer esta cooperativa nos seus diversos domínios. Sendo a única cooperativa de citrinos do algarve, a CACIAL, tem, por si só, uma posição de grande reconhecimento na região, uma posição apenas conquistada pelo trabalho constante. “Um caminho com mais de meio seculo é um marco que nos orgulha, é um percurso que valorizamos. Hoje temos credibilidade, temos crédito, somos organização bem estruturada e fornecemos praticamente todas as grandes cadeias e isso é apenas fruto de muito trabalho”, destacaram.

Divulgar e valorizar a Laranja

A Laranja do Algarve tem vindo a conquistar um prestígio tanto a nível nacional como internacional. Cada vez mais demarcada pela qualidade José Oliveira sublinhou as particularidades que diferenciam os citrinos algarvios: “O que torna a laranja do algarve distinta são as condições, não só do terreno, mas também climáticas, entre outros fatores que auferem ao produto um misto de acidez, sumo, brix, que a diferencia da generalidade das laranjas europeias. Essas características fazem com que ela seja muito boa para ser consumida na mesa, mas também na utilização para fazer sumo, pela sua cor, o teor de açúcar e a percentagem de sumo”. Para além destas características, a laranja tem por si só atributos benéficos por serem ricos em fibra vegetal, vitaminas e minerais e nutrientes antioxidantes e reguladores do organismo.

Apesar de todas as qualidades naturais dos citrinos algarvios, a CACIAL tem como intenção a valorização deste produto através da presença em feiras internacionais e usufruindo também da distinção do Algarve como destino turístico. Para complementar a missão da divulgação a CACIAL e mais 9 operadores de citrinos no Algarve, criaram a AlgarOrange: “Com essa divulgação e promoção todos lucram, os produtores, a região e o país e a sua economia. A CACIAL é uma das organizações fundadoras, formada no verão passado e estamos a dar os primeiros passos.”, realçou José Oliveira.

Vantagens para os associados

Para além do trabalho realizado pela CACIAL, parte fundamental do sucesso está nos 34 associados, que, podem encontrar nesta cooperativa uma solução credível e viável para escoar os seus produtos. “Oferecemos a garantia da comercialização. Outra mais valia é um corpo técnico que dá o apoio na produção. A apanha da fruta é também feita pela CACIAL e isto são fatores que levam a uma mais valia substancial para as pessoas”.

Qualidade reconhecida

Apesar de ao longo dos anos ter vindo a ser reconhecida como PME Líder, o ano de 2018 foi assinalado pela condecoração da CACIAL como PME Excelência, uma distinção que reconhece a organização e a sua metodologia enquanto empresa. As excelentes condições oferecidas aos 100 colaboradores e o desempenho económico ditaram esta conquista, no entanto José Oliveira salientou também as certificações: “Somos a empresa com mais certificações do Algarve. Hoje, se uma peça de fruta for comprada e tiver algum produto é possível identificar quem a vendeu, o lote em que foi distribuída e a parcela em que foi produzida. Naturalmente que isso dá garantia ao consumidor e quem tem estas condições acaba por ter mais portas abertas no mercado”.

Inovar para crescer

A CACIAL foi a primeira unidade do país embalar citrinos de forma industrial. Atualmente, a inovação mantém-se na sua génese: “Todas as empresas têm de procurar estar na inovação que tem vindo a ser feita. Um dos fatores que nos colocou onde estamos hoje tem a ver com o continuo investimento em diversos equipamentos. Mudamos também a nossa imagem, porque faz parte do crescimento e da inovação inerente à nossa forma de trabalhar”, explicou José Oliveira.

Para o futuro, os objetivos definidos para dar continuidade à progressão da CACIAL são a internacionalização e a aposta em aumentar a produção com pomares próprios de forma a dominarem a qualidade da produção.

Partilhe:
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on Google+Pin on PinterestEmail this to someone