Em Pias, na margem esquerda do rio Guadiana, a região mais quente de Portugal, encontrámos o Monte da Capela. Aliando a sabedoria e experiência acumulada dos seus sócios à melhor tecnologia, nascem vinhos marcantes, de perfil quente e macio, fortemente reconhecidos a nível mundial.

Marcar pela diferença, mas respeitando o terroir de Pias, onde a propriedade está inserida, é o principal intuito da empresa Monte da Capela, fundada em 2000 por Carlos Roque do Vale, Maria Clara Roque do Vale e Edgar Azevedo. A vasta experiência e tradição no setor vitivinícola e o acompanhamento permanente da evolução dos vinhos, sobretudo nesta região, fizeram desta uma oportunidade única para a formação da empresa. Com o início da atividade, a estratégia passou pela reestruturação das vinhas existentes na propriedade, onde dominam as castas tintas Aragonez, Trincadeira, Alfrocheiro, Alicante Bouschet e Touriga Nacional, como nos recorda Maria Clara Roque do Vale. A segunda prioridade foi a construção da adega, investimento que ocorreu em 2010, estando a adega equipada com a mais moderna tecnologia.

Comprovam a excelência da qualidade produzida os inúmeros prémios que a empresa tem arrecadado ao longo dos anos, com destaque para os prémios obtidos em 2017 – duas Medalhas de Ouro no prestigiado concurso Challenge International du Vin, em Bordéus, para os vinhos Herdade da Capela Reserva 2011 e Adega de Pias Reserva 2014, Medalha de Ouro para o Monte da Capela Reserva 2011 no Concurso Mundial de Bruxelas e Medalha de Ouro no vinho branco bivarietal Monte da Capela Premium 2016, obtido recentemente no concurso promovido pela Confraria dos Enófilos do Alentejo.

O Monte da Capela é ainda reconhecido pela excelente relação qualidade/preço dos seus vinhos, estando presente nos cinco continentes onde comercializam mais de metade da sua produção, fruto de um trabalho em internacionalização há muito iniciado.

 

Falar dos verdadeiros vinhos de Pias, é relacioná-los com um território em que o clima se caracteriza por elevados valores de temperaturas máximas, reduzida pluviosidade e por elevadas amplitudes térmicas, que aliado às castas cultivadas em solos calcários, pouco férteis, origina vinhos de perfil quente, com cor e aromas intensos e características sui generis.

“Por esta razão era inicialmente nossa intenção desenvolver a marca-região de “Pias” de uma forma sustentada e foi o que fizemos até dada altura. Uma marca, ou como neste caso, uma marca-região, não é somente um símbolo legal, mas acima de tudo deve ser um símbolo de valor, confiança e de qualidade para o consumidor. Quando começámos a verificar que o consumidor estava a ficar confuso com a proliferação de marcas que utilizam indiscriminadamente o nome de Pias, mudámos de estratégia”, revela a administradora. Se inicialmente trabalhávamos quase que exclusivamente marcas “Pias”, hoje as nossas marcas mais importantes são Monte da Capela e Herdade da Capela na categoria de DOC Alentejo, com os designativos de qualidade Premium, Private Selection e Reserva.

A concluir, refere ainda Maria Clara que em Pias apenas há dois produtores de vinho pelo que aconselha os consumidores que não queiram ser enganados, a verificar sempre se o produto é certificado como Vinho Regional Alentejano e verificar ainda se a sede social do produtor (que consta na rotulagem quer da garrafa quer do bag-in-box) é em Pias.

Partilhe:
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on Google+Pin on PinterestEmail this to someone