O profundo conhecimento dos produtos e do mercado permite à Aegon Santander Portugal proporcionar aos seus clientes uma oferta diferenciada e personalizada, garantindo, assim, a sua total satisfação. Em entrevista, Tiago do Couto Venâncio, CEO, reconheceu a importância da recente distinção alcançada com o Prémio “Cinco Estrelas” e deu a conhecer as linhas orientadoras que têm guiado a seguradora ao longo dos anos.

Tiago do Couto Venâncio - CEO
Tiago do Couto Venâncio – CEO Aegon Santander

Há apenas seis anos no mercado português, a Aegon Santander conquistou, pela primeira vez, o Prémio Cinco Estrelas, na categoria de Seguros Bancários. O que representa para si este reconhecimento?

O Prémio “Cinco Estrelas” tem um significado especial por ser o resultado da avaliação dos clientes, a razão da nossa existência. Num ano de especial dificuldade, em que todas as empresas se viram confrontadas com os desafios que a pandemia trouxe, esta distinção tem ainda mais valor. Faz sentir que respondemos bem e tomámos opções com significado para os clientes, medidas que podem ter tido um impacto positivo nas suas vidas.

Das várias dimensões avaliadas para a obtenção deste prémio, destacam-se a satisfação na experimentação e a intenção de recomendação, bem como confiança e disponibilidade associados à marca. O que distanciou a Aegon Santander dos seus pares?

Vemo-nos como uma empresa orientada para as pessoas. Esse é um sentimento vivido transversalmente na Aegon Santander e acredito que isso seja percecionado pelos clientes. A dimensão humana é importante nos serviços, mas é particularmente relevante nos seguros, porque o cliente deposita a sua confiança na Seguradora e fica na expetativa que cumpramos o nosso papel, se algo ocorrer no futuro. Os produtos e serviços podem ser fáceis de replicar. Todos podemos replicar uma prática ou cobertura que identifiquemos que seja valorizada pelo consumidor. Mais difícil de replicar é esta dimensão humana associada ao serviço. Agrada-me pensar que pode ser isso que nos distingue.

Durante 2020, a Aegon Santander conseguiu contrariar a queda do setor Vida em Portugal, com a Aegon Santander Vida a crescer 18% e a Aegon Santander Não Vida a subir 19%. O que esteve na origem deste crescimento, em contraciclo com os seus pares?

Em ambas Seguradoras o crescimento ocorreu de forma transversal, em toda as linhas de negócio. No entanto, na Aegon Santander Vida verificou-se um forte impulso pela evolução positiva dos seguros relacionados com o Crédito Habitação, bem como pela incorporação, em 2019, da unidade de negócio proveniente da Companhia de Seguros Eurovida. Na Aegon Santander Não Vida destacamos a performance dos produtos Multirriscos Habitação e Saúde, este último lançado no final de 2019 e tem tido uma boa adesão por parte dos nossos clientes, que lhe reconhecem valor, quer ao nível das coberturas, quer na qualidade de serviço.

AEGON
Prémio 5 estrelas

Em 2020, e como forma de responder ao momento atual, a Aegon Santander ajustou as condições de alguns dos seus produtos – Vida, Saúde e Desemprego. Que objetivo e motivações estão na base desta aposta?

Quando estabelecemos que a nossa missão é proteger e cuidar dos nossos clientes, isso tem de se refletir na nossa atuação. Ajustámos as condições dos nossos seguros para dar resposta às necessidades que os clientes estariam a sentir. Demos, por exemplo, acesso à App Safecare Saúde a todos os clientes do Banco Santander, independentemente de terem, ou não, contratado este serviço connosco ou serem sequer nossos clientes. Com isso pretendíamos dar acesso a um médico 24h/7 dias por semana, sem limite de utilização e livre de qualquer custo para o cliente. Fizemo-lo logo no início, quando as pessoas tinham muitas dúvidas. É desta forma que nos queremos posicionar no mercado.

Que linhas pretende a Aegon Santander seguir para se manter no topo e continuar a satisfazer e surpreender os seus clientes? Ouvir os clientes é essencial para perceber as suas motivações e identificar formas de nos anteciparmos. É fundamental ter agilidade na concretização e flexibilidade para nos adaptarmos aos desafios, com a permanente reavaliação e ajuste. Por fim, é determinante poder contar com uma equipa coesa, confiante e com vontade de se superar, como a que temos na Aegon Santander e da qual me orgulho.