Um município na linha da frente

O ano de 2020 está a ser sinónimo de grandes desafios. Perante a situação de emergência causada pela Covid-19, os municípios estiveram, desde o primeiro momento, na linha da frente no auxílio aos munícipes. António Coutinho, presidente da Câmara Municipal de Sever do Vouga, revelou algumas das medidas tomadas pela autarquia no combate à atual pandemia.

O ano de 2020 trouxe adversidades nunca antes encontradas. Perante a situação de emergência criada pela Covid-19, os municípios mantiveram-se na linha da frente na resposta à atual pandemia. Quais as medidas adotadas pela autarquia de Sever do Vouga nesse sentido?

O Município de Sever do Vouga atuou de acordo com as diretrizes da DGS, sempre atento às especificidades do território e dos seus munícipes. Tendo por base estes princípios, definiu um conjunto de ações de acordo com os níveis de respostas dirigidos à população em geral e aos serviços e departamentos da autarquia, por forma a minimizar riscos destes agentes e assim, estarem asseguradas as condições humanas e de respostas às emergências que o período de isolamento social foi ditando. Assim, para além da elaboração de um Plano Municipal de Emergência, instituiu e aplicou um conjunto de medidas de combate ou minimização à Covid-19, preventivas e de intervenção, designadamente:


– Criação de um Plano de Emergência Municipal, em articulação com o Plano de Emergência Distrital;
– Sensibilização dos cidadãos e informações elucidativas das diretrizes e normas da DGS;
– Criação de um gabinete de emergência e atendimento, a funcionar 24h/dia, durante o estado de confinamento social;
– Articulação com as autoridades locais, regionais e nacionais, das áreas da saúde e proteção civil;
– Fornecimento de materiais e equipamentos de proteção individual a todas as IPSS, Centro de Saúde, Bombeiros Voluntários de Sever do Vouga e GNR;
– Identificação de vários centros de retaguarda de acolhimento e tratamento para situações de emergência e estados críticos;
– Instalação de um serviço de acolhimento dos doentes infetados no VougaPark, com capacidade para 50 camas;
– Desinfeção dos espaços públicos, ecopontos/ reservatórios de recolha de lixos domésticos, dos edifícios das IPSS’s, GNR e BVSV, bem como das principais vias públicas da vila e das freguesias do concelho;
– Disponibilização ao Centro de Saúde de um dispositivo móvel para contacto direto com o clínico que se encontra de serviço, no âmbito do atendimento a pessoas que evidenciem sintomas compatíveis com o vírus Covid-19;
– Instalação de duas tendas para separação dos utentes e reforço dos materiais de proteção e desinfeção;
– Encerramento de todos os espaços de desporto e lazer e ainda do Centro Coordenador de Transportes, sendo também suspenso o transporte SEVERIN;
– Criação de três equipas, com os BVSV, para apoio de emergência relativos à Covid-19;
– Aprovação de um apoio às IPSS’s e associações, através da antecipação e reforço do subsídio anual.

António Coutinho - Presidente da Câmara Municipal de Sever do Vouga
António Coutinho
Presidente da Câmara Municipal
de Sever do Vouga

A Covid-19 veio afetar famílias e empresas que viram reduzidos os seus rendimentos. A autarquia de Sever do Vouga desenvolveu medidas de apoio com o objetivo de minimizar o impacto trazido pela pandemia?

A autarquia de Sever do Vouga mostrou-se, desde o primeiro momento, atenta ao impacto trazido pela pandemia. Nesse sentido, levou a cabo diversas medidas, de onde se destacam:

– Isenção de pagamento de rendas e outras taxas a todas as empresas sediadas no Vougapark;
– Isenção de todas as rendas dos espaços concessionados;
– Suspensão/isenção do pagamento das tarifas do estacionamento;
– Suspensão de todos os pagamentos de utilização dos espaços públicos, espaços publicitários e esplanadas;
– Isenção do pagamento das tarifas relativas à recolha de lixo;
– Criação de um Gabinete de Emergência constituído pela Proteção Civil Municipal, Técnicos da Área Social, Psicóloga, Motoristas, Auxiliares e outros voluntários de modo a garantir o atendimento permanente de pessoas com dificuldades, principalmente idosos e isolados;
– Aquisição e entrega ao domicílio de bens de primeira necessidade e medicamentos às famílias/pessoas impossibilitados de se deslocarem;
– Contacto telefónico às famílias com educandos em idade pré-escolar e do 1.º ciclo para averiguação das necessidades de manutenção da refeição para os alunos abrangidos pelos escalões A e B da Ação Social Escolar, tendo o Município de Sever do Vouga adotado uma política de abrangência das famílias no seu todo, quando afetadas pela redução de rendimentos. Neste caso, o município articulou com as IPSS e serviço da Cantina Social, assegurando, deste modo, a alimentação diária destas famílias;
– Criação de uma Bolsa de Voluntários que cresceu a um ritmo francamente surpreendente, demonstrando disponibilidade, altruísmo e solidariedade dos munícipes inscritos;
– Asseguramento gratuito de testes a todos os funcionários e utentes das IPSS’s;
– Isenção das taxas de vários serviços municipais, água, lixo e estacionamento;
– Alargamento dos prazos de pagamento de rendas de edifícios municipais, bem como eliminação dos pagamentos de juros de mora;
– Fornecimento de equipamento de proteção social ao comércio local e a toda a população.

O ‘novo normal’ trará grandes desafios. Há uma nova realidade que exige adaptação de todos. Que mensagem gostaria de deixar aos Severenses e aos nossos leitores?

Antes de tudo, tomarmos consciência de que estamos a viver um novo paradigma, uma realidade mundial e humanitária que exige de todos nós, das nações, dos seus líderes, das famílias, escolas, instituições e organismos públicos e privados.

A tomada de consciência e o sentido de responsabilidade individual será determinante para a contenção e a erradicação de focos de contaminação e a disseminação da Covid-19.

Uma nova cultura de socialização e de convívio terá de ser construída pelas pessoas. As medidas preconizadas obrigam-nos a obedecer a regras e procedimentos de contenção social e de etiqueta sanitárias. No entanto, somos seres humanos em que os sentimentos e os afetos são vitais para manterem-nos saudáveis física, emocional e mentalmente.

Encontrar o equilíbrio entre estas duas condições opostas exige um grande exercício individual e coletivo de consciencialização e autoconhecimento. Todavia, estou certo que saberemos encontrar soluções atenuantes e compensatórias que permitam, pelo menos, sustentar esta situação de regras de etiqueta social rígidas, até que a ciência e a medicina possam libertar-nos destes agrilhoamentos e falta de segurança.

Acredito que devemos, acima de tudo, concentrar-nos nas mudanças comportamentais de cada um de nós, face ao modo como tratamos a Natureza. É por aqui que devemos começar.  Ainda não existe uma vontade universal das organizações mundiais responsáveis e das nações, de agirem sobre qual a verdadeira razão desta e outras pandemias que estão a surgir na busca pela congruência com a Terra enquanto é tempo, devolvendo deste modo à Humanidade a oportunidade de viver em paz, harmonia e segurança.

Sever do Vouga - logo
www.cm-sever.pt